Rádio Resistência

Notícias

18/01/2022

Boa notícia! Movimento sindical cobrou e Banco do Brasil deixa de exigir visitas presenciais de gerentes

Hoje tem reunião do Comando dos Bancários e Fenaban. Movimento sindical cobra retomada do trabalho em home Office

 

O Banco do Brasil (BB), após cobranças do movimento sindical, retirou a obrigatoriedade da visita presencial de seus gerentes PJ para atingir as metas. No e-mail enviado para os gerentes especializados PJ, a instituição financeira comunicou a flexibilização da regra das visitas. Ou seja, os gerentes agora podem priorizar as reuniões com os clientes via videoconferência.

Com o resultado positivo das cobranças, a Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil (CEBB) festeja o novo posicionamento do BB, em especial diante do aumento de contaminação por Covid-19 e por Influenza entre os funcionários e funcionárias do banco.

A direção do Sindicato dos Bancários de Sergipe (SEEB/SE) também festeja a flexibilização da norma e vai monitorar o cumprimento das medidas. A presidenta do SEEB/SE, Ivânia Pereiea afrma que “diante da nova onda de casos de Covid-19 e com o surto de influenza, a exigência das visitas presenciais para que os gerentes batessem as metas colocava em risco a vida dos funcionários e clientes. Os sindicatos em todo o país se mantêm firmes para defender a proteção e segurança da categoria bancária e dos clientes e usuários. Vamos manter vigilância para que o BB em Sergipe siga com o cumprimento das medidas”.

Sindicatos cobram teletrabalho

Na última quarta-feira (12), o portal da Contraf divulgou uma matéria trazendo denúncias de gerentes PJ que estavam sendo pressionados para encontrar presencialmente os clientes. As autoridades de saúde afirmam que a variante Ômicron, da Covid-19, e a variante H3N2, da Influenza, fizeram explodir o número de casos das respectivas doenças no país, desde o início de 2022 em uma velocidade jamais vista antes.

Em entrevista ao jornal O Globo, concedida também no dia 12, a intensivista e cardiologista Ludhmila Hajjar disse que os sistemas de saúde no país correm o risco de entrar em colapso em apenas uma semana, pelo aumento de infectados.

O Movimento sindical questiona o Banco do Brasil por precipitadamente tentar retomar à normalidade dos atendimentos do modo como eram antes da pandemia. Também cobra da instituição a retomada do trabalho em home office.

O assunto será retomado hoje durante reunião do Comando Nacional com a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban).